Arquivo de fevereiro, 2013

UFC-156Para mim esse foi o melhor Card da história do UFC. Qualquer duelo do card principal poderia tranquilamente assumir a luta principal da noite! O melhor de tudo é que o resultado final só deu Brasil!

Não achei que teríamos 100% de sucesso na noite do evento. Rashad Evans, Overeem e Jon Fitch, responsáveis por duelar contra Rogério Minotouro, Antonio Pezão e Demian Maia, eram fatoritos no banco de apostas. Pezão e Minotouro eram considerados azarões no combate.  Todos foram brilhantes e deram orgulho para a torcida brasileira, que estava presente dentro do “Mandalay Bay Events Center” em Las Vegas, nas mídias sociais, nos bares e no Pay-per-view. Basicamente assistimos o Brasil dar porrada na “gringada”!

Jose-Aldo_ACRIMA20120116_0305_14 Diferente do que todos imaginavam, José Aldo Junior, “The Scarface“, fechou o evento com domínio total da luta. Eu estava esperando uma vitória apertada do brasileiro por algum detalhe no combate e rapidamente comecei a anotar quantos golpes cada atleta conseguiria aplicar. José Aldo não acertou grandes sequências no primeiro round, mas os poucos golpes acertados no rosto de Edgar, fez com que o americano começasse a ver 2 “Josés Aldos” já no primeiro período. No segundo período a torcida brasileira se mostrou presente e fez o clássico grito de guerra “Uh, vai morrer”. Claro que o americano não entendeu o “coral brasileiro”, mas José Aldo compreendeu e sorriu no meio da luta… Peraí, o cara no meio da luta que é considerada a mais dificil de sua carreira, deu risada no meio do combate?? Amassei o papel com minhas contagens de golpes e joguei pra longe. Não queria perder um só segundo da batalha mais importante na carreira do brasileiro. Não por ser considerada a mais dificil, mas não queria perder a apresentação do novo herói que o Brasil estava conhecendo. Senhoras e senhores, o tufão que passou ontem a noite no “Mandalay Bay” não se chama “Sandy”. Se chama José Aldo Junior!!!

imagesCAT439FDA luta de Pezão não era apenas um combate normal para ganhar ranking ou se aproximar cada vez mais do “title shot“. Era mais que isso, era pessoal. Primeiro porque o brasileiro aguentou a provocação de Overeem de boca fechada nos dias anteriores ao evento e depois porque o brasileiro mostrou que sua ex academia, a “blackzilians (Academia onde  Overeem treinou para este combate) errou e feito ao dispensar Pezão para treinar Alistair Overeem alegando que o holandês tem mais nome que o brasileiro.

Confesso que ao ver o início do combate tive minhas dúvidas sobre a vitória do brasileiro. Pezão entrou devagar no primeiro round, sem um grande portfólio de golpes contra o holandês, que se deu bem na estratégia e colocou o brasileiro com as costas na grade e atacando a linha de cintura com fortes golpes, conquistando 10-09 no primeiro momento.

No segundo round, Overeem colocou Pezão para baixo, trabalhou bem a luta no solo e conquistou novamente 10-09.

O terceiro período a torcida brasileira estava quieta, mas acordou quando o brasileiro mostrou o porque estava lá. O cara ligou a duracell e acertou uma sequência de socos, que fez o holandes dormir gostoso. K.O para Antonio Pezão, com direito de respostas para a provocações e magoas de toda uma história que agora se tornou sucesso: –  “Levanta… ainda quero lutar.. levanta!

Após a luta o brasileiro desabafou: – “Não penso em voltar para a Blackzilians, porque treino na Team Nogueira no Brasil e American Top Team nos EUA. Na Blackzilians só existe negócios, não há amizade entre os atletas. Não tenho amigos lá, e na Team Nogueira eu tenho amigos de verdade”.

UFC-Minotouro-torce-Em-junho-ja-volto-a-lutar_1Minotouro também teve sucesso. O cara representou bem a familia Nogueira e foi o azarão no combate, já que as apostas estavam voltadas ao seu adversário Rashad Evans. Em plena forma em seu retorno, Rogério Minotouro Nogueira usou bem a distância e ficou calmo depois do primeiro round, onde tomou um Upper e uma queda do americano.

No segundo round,  Nogueira trabalhou bem no boxe e evitou várias quedas, conquistando 10-09 a favor do brasileiro.

No terceiro período Minotouro mais uma vez trabalhou bem no boxe e conquistou também o terceiro round e o combate.

DemianMaia_HeadshotDemian Maia enfrentou Jon Fitch, que é o “casca grossa” com melhor defesa de submition. Nenhum lutador conseguiu fazer o cara bater no octógono.

O que achei incrível é que Demian Maia não obrigou a Fitch entrar em seu jogo e sedeu o jogo do americano. Mesmo assim, Maia deu um show,  não deu espaço para Fitch e acabou ficando com a vitória através da decisão dos juízes.

O brasileiro teve um auto-controle impressionante. A torcida estava contra, o ginásio em peso não gostou do combate pelo motivo de que Demian levou a luta para um caminho tático no solo. Como o americano gosta de trocação, o brasileiro não foi muito artístico em sua apresentação e amarrou o combate com seu Jiu Jitsu afiado. É.. a torcida americana perdeu junto com Jon Fitch. Foi delicioso!

O UFC 156 foi marcado por um Card principal fortíssimo, superação e vitória 100% brasileira.

Por: – @nando_cesar

Anúncios